Ouça a Rádio

A congruência é condição para quem pretende educar: O exemplo de Jesus

Você está em - Home - Notícias - A congruência é condição para quem pretende educar: O exemplo de Jesus

Um animal é, por seu próprio instinto, tudo aquilo que pode ser; uma razão exterior a ele tomou por ele, antecipadamente, todos os cuidados necessários. Mas o homem tem necessidade de sua própria razão. Não tem instinto, e precisa formar por si mesmo o projeto de sua conduta. Entretanto, porque ele não tem a capacidade imediata de fazê-lo e vem ao mundo em estado bruto, outros devem fazê-lo em seu lugar. (Kant, Sobre a Pedagogia, p.12,1996) 

Se o homem, como afirma Kant, precisa adquirir algo que não pertence naturalmente a si próprio, compreende-se que necessita ser educado. Essa não é uma atividade simples. A Educação não se limita à aplicação de fórmulas. O próprio Kant afirma: “A educação é o maior e mais árduo problema que pode ser proposto aos homens”.

jesus_areia_educador

Não parece possível pensar em uma Educação que seja redutora em sua análise do que é o homem. A Educação é por sua inerente condição ação criadora que não se repete e nem se esgota, mas que se refaz pela ação, intervenção e criação do ser humano, pois o homem é sempre novo, único e singular na pluralidade social. É impossível prever como reagirá diante de cada estímulo, o que, a partir daí, fará de si mesmo e de seu mundo. Quem é o sujeito a ser educado? Esta questão sempre permanecerá aberta e de reflexões inesgotáveis. Jesus, ao lavar os pés dos Apóstolos na Última Ceia, disse: 

"Entendeis o que vos tenho feito? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também". (cf. João 13,12-15) 

O gesto de Jesus nos interroga sobre a verdade de nossa congruência, que se traduz em tudo o que somos, pensamos e fazemos. Somos identificados como exemplos por aqueles que pretendemos educar?

 

"Somos identificados como exemplos por aqueles que pretendemos educar?"

Afirmar que o conhecimento que possuímos sobre o homem é suficiente para educá-lo significa fechar a porta para as interrogações, porque julgamos que nosso saber nos basta, ou porque o dogmatismo das teorias científicas nos conforta. Não nos parece possível formar alguém se não somos formados. Não nos parece possível educar se não somos exemplos: 

"Formar pessoas demanda tempo e paciência, além de seriedade e dedicação. Nascemos fracos, precisamos de força; nascemos desprovidos de tudo, temos necessidade de assistência; nascemos sem capacidade de julgar, precisamos de juízo. Tudo o que não temos ao nascer, e de que precisamos adultos". ( cf. Rousseau, Emílio, 1996, p. 10) 

O medo do desconhecido provoca entre muitos educadores insegurança e insatisfação, pois esses buscam segurança e não têm condições de abandonar a zona de conforto para irem ao encontro do desvelamento de si e do desvelamento daquele que pretende educar. As teorias explicativas sobre os sentidos da Educação não dão conta de responder essas interrogações acerca do sujeito a ser educado.

A ausência da interrogação sobre o homem talvez seja o sintoma da incapacidade da Educação de formar plenamente. Não sabemos qual o sentido da ação educativa e onde ela deve chegar.O que pretendemos que o homem se torne quando buscamos educá-lo? O que está por traz do ocultamento da interrogação sobre o homem no âmbito da educação? Como pretender educá-lo sem interrogar sua condição humana? Não estaria o próprio homem sendo ocultado e não apenas a interrogação sobre ele? 

"São questões que têm a sua fonte comum naquela exigência de sentido que, desde sempre, urge no coração do homem. Da resposta a tais perguntas depende a orientação que se imprime à existência". (cf. JOÃO PAULO II, Fides et Ratio, 1988, nº 1) 

A busca pela verdade sobre si faz com que o homem avance nas interrogações sobre si, isto é, para a compreensão do seu próprio mistério. O homem experimenta a inquietação da busca. 

NEWSLETTER

INFORME SEU E-MAIL PARA RECEBER AS NOVIDADES DO NOSSO SITE

HORÁRIOS

Seg, Qui, Sex E Sab

Missas às 19h00.

Terça-Feira

Missas às 05h30, 06h30 e 17h30.
Novenas de 06h00 às 21h00.

Domingo

Missas às
07h00, 08h30, 17h30 e 19h00.

Tv Nazaré

Ao Vivo às 15h00.

Tv Marajoara

Gravado às 19h00.

Rádio Web "O Redentor"

Novenas ao Vivo das 06h00 às 21h00.
Missa de Domingo às 07h00.

Rádio Nazaré

Novena ao Vivo às 18h00.

Outras Emissoras

Novenas:
Transmissão às 12h00, 18h00
e às 19h00.